Foto: Flávia Castelo

Era a última pauta de trabalho do dia, quando a anfitriã me conduziu ao local da reunião: ‘sala do amor’, estava escrito na porta. Detalhes, como esse, me fazem respirar melhor. Comentei como estávamos em harmonia e citei meu Luc Ferry que estava na bolsa: ‘Do amor’. Uma homenagem a Stendhal que está me acompanhando nas esperas da vida. Diz o subtítulo que é ‘uma filosofia para o século XXI’. Que também poderia ser: ‘por mais dedicação ao conhecimento, à moral e à política’. Mas, como num ritmo diário que nos é imposto, conseguimos acompanhar e participar tudo que está acontecendo no país? Não, não estou me eximindo de responsabilidades. Apenas, quero compartilhar a frustração em lidar com anestesiamento e alienação coletivos. Lembra quando Temer queria espalhar milhões de outdoors com a frase do dono de posto homicida (além de acusado de vários crimes, como receptação dolosa, sonegação fiscal, formação de quadrilha, estelionato e despejo por falta de pagamento)? “Não fale em crise, trabalhe”, ele citou há exatamente um ano, como se tivesse medo do que estaria por vir. Eu também estou com medo. Não por ele, claro. Mas por nós e do que estamos fazendo. O que estamos fazendo? O que estamos fazendo, além de encarar todo o sistema fraudulento? Sim, há uma diferença entre saber que cada delatado, todo delator  da Lava Jato é corrupto e em aceitar que a indecência é inerente ao conjunto das instituições sociais da qual estamos inseridos. Subordinados. Desconsiderando o contorno europeu marxista, quando su‘A ideologia alemã’ diz que “não é a consciência que determina a vida, mas a vida que determina a consciência”, e mesmo sem querer/poder ser determinista, meu temor aumenta. E me pergunto, se é a sociedade que nos muda, que nos molda, o que nos tornaremos? Na verdade, a pergunta é: com tantas ‘Cracolândias’, ‘Manchesters’ e antropocentrismo seletivo, o que nos tornamos? Ou ainda: Nesse desenvolvimento insustentável, quem sou eu? Quem é você?

Urbi et orbi e faça parte da ALDEIA GLOCAL em aldeiaglocal.com.br, afinal, quanto mais global, mais local.

A coluna “Aldeia Glocal” é publicada no Tribuna do Ceará, às quartas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10 e 18:10h.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *