Foto: Flávia Castelo

“Por que você não quer carne?” É o que costumo escutar quando declino a oferta no almoço ou jantar. É como se fosse necessária uma justificativa.

Se questionar é preciso, a pergunta não seria, “por que você quer carne?”

Não é curioso como reagimos à ideia de comer gatinhos e ainda mais estranho o modo como não reagimos sobre o fato de comer bezerrinhos?

Você pode até dizer que é porque as coisas são assim mesmo, mas pra que essa acrobacia psicológica ou, como diz a professora Melanie Joy, esse entorpecimento psíquico?

A resposta é simples: nós amamos os animais e não queremos que eles sofram. Ou você tem explicação melhor para que na Índia a vaca não seja comestível, mas tudo bem colocar galinha e porco no prato?

Penso que é uma incoerência entre valores e comportamentos que pode causar um certo desconforto moral. No final das contas, é tudo uma questão de percepção. O que me lembra o discurso de que a ética que nos leva ao cuidado com o meio ambiente é uma utopia.

Utópico não seria acreditar que as coisas são assim mesmo e que tudo vai dar certo, inclusive, porque amamos cachorros, comemos porcos e vestimos vacas?

Urbi et orbi e faça parte da ALDEIA GLOCAL em aldeiaglocal.com.br, afinal, quanto mais global, mais local.

A coluna “Aldeia Glocal” é publicada no Tribuna do Ceará, às quartas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10 e 18:10h.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *