Ilustração: Thiago Mello

Quem nunca fez ou quis fazer uma cápsula do tempo? Se o mundo fosse dividido em dois times, eu seria daquele que escreve cartas para enterrar e ler dez anos depois. Como no drama brasileiro “Entre nós”. Ou minha turma da faculdade.

Todos os meus amigos tinham sonhos. E sou capaz de lembrar o de cada um. Tinha a que queria casar e ter muitos filhos, o que sonhava ser juíz, a que tinha certeza que seria – “só” para poder oferecer aos filhos as mesmas oportunidades que tivera, a que desejava sair de casa para poder viver a vida de acordo com suas próprias regras – o que incluía beijar na boca, o que se empenhava para ser rico e famoso, a que seria “simplesmente” modelo… …eram tantos desejos, mas eu não me identificava com nenhum. Não conseguia (me) imaginar (com) aqueles finais felizes. Eu não tinha sonhos.

Lembro que tive muita dificuldade em escrever a minha carta. Provavelmente, inventei algo para cumprir o ritual, mas, certamente, não conseguia olhar lá pra frente e me ver num final. Eu, definitivamente, não tinha um sonho.

Na verdade, não é que eu não tinha, é que os meus amigos sempre sonhavam com os finais da história, sabe? E eu nunca tive um sonho assim, com fim. Meu sonho sempre foi caminho. Foi meio. Meu ambiente.

Eu queria viajar, trabalhar em algo que (me) fizesse sentido, ficar perto da minha família – mas nem tanto, rir bastante entre um drink e outro, poder ler quantos livros, ver tantos filmes, ouvir todas as músicas… …não pensei em grana ou roteiro. Nem mesmo em plantar árvore, escrever livro, salvar uma vida ou ter filho. Me “contentei” em me divertir no caminho.

Acho que pensei demais para saber o que era pior: não conquistar nada do que se sonhou ou exatamente o contrário, conquistar tudo. Talvez por isso, não (d)escrevi o meu final feliz.   E a (minha) verdade é que eu tinha muitos sonhos. E ainda os tenho. E os vivo. Ainda estou no caminho. No meu caminho. Meio ambiente.

Urbi et orbi e faça parte da ALDEIA GLOCAL em aldeiaglocal.com.br, afinal, quanto mais global, mais local.

A coluna “Aldeia Glocal” é publicada no Tribuna do Ceará, às quartas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10 e 18:10h.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *