Ilustração: Thiago Mello

O escritor libanes Gibran Khalil Gibran dizia que as árvores são poemas que a terra escreve para o céu. E que nós as derrubamos e as transformamos em papel para registrar todo nosso vazio.

Fortaleza também está vazia. De verde e poesia. Todo mundo quer sombra e água fresca. Mas o que a gente faz pra conseguir?

Quando a ativista queniana Wangari Maathai percebeu que as águas, as terras e as florestas começaram a escassear por causa do plantio e exploração comerciais, ela relacionou os problemas que as mulheres tinham cotidianamente, com a degradação ambiental e chamou essas mulheres para plantar árvores. Este movimento ficou conhecido como Cinturão Verde e ganhou proporções inimagináveis: chegou a milhares de mulheres e árvores e, naturalmente, na melhoria da qualidade de vida local, o que lhe rendeu um Prêmio Nobel da Paz, em 2004.

E você? Já plantou uma árvore? Ou vai ficar reclamando que a cidade está quente?

Em um ano, uma árvore resfria igual a dez ar condicionados funcionando continuamente.

Então, coloca lá no Google “mapa colaborativo com as espécies de árvores de Fortaleza”, escolhe umas sementinhas nativas, planta no quintal, ou fala com a Prefeitura que quer plantar na rua, chama de sua, cuida dela e deixe a cidade cheia de poesia.

Urbi et orbi e faça parte da ALDEIA GLOCAL em aldeiaglocal.com.br, afinal, quanto mais global, mais local.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *